'Explosivista' morto durante troca de tiros com a polícia atuou em pelo menos cinco ataques a bancos em Salvador

 Investigações apontam Marcos André Morais Silva como o responsável por preparar, manusear e instalar explosivos em cofres e caixas das instituições financeiras.




Drogas, armas, luvas e roupas camufladas também foram apreendidas em um imóvel no bairro de Campinas de Pirajá — Foto: Divulgação/Polícia Civil



O explosivista Marcos André Morais Silva, que morreu durante uma troca de tiros com policiais, nesta terça-feira (15), atuou em pelo menos cinco ataques a bancos em Salvador. A informação é da Polícia Civil.


Polícia cumpre mandados contra grupo suspeito de roubos a bancos e suspeito morre em troca de tiros


De acordo com a polícia, Marcos André era o responsável pela preparação, manuseio e instalação dos explosivos nos cofres e caixas das instituições financeiras. Ele também era procurado no estado do Maranhão, onde nasceu, pela prática do mesmo crime.


Em entrevista ao podcast Eu Te Explico, do G1, o especialista em segurança pública, Guaracy Mingardi, detalhou o trabalho do explosivista nas quadrilhas que atuam em ataques a bancos. "Não é uma tarefa feita por qualquer pessoa, e sim por alguém experiente, com técnica e perícia. É uma figura difícil de ser encontrada", disse, na ocasião.



O diretor de Repressão e Combate ao Crime Organizado da Polícia Civil, delegado José Bezerra, disse que as investigações apontam a participação de Marcos André em roubos às agências do Banco do Brasil, em Porto Seco Pirajá, e da Caixa Econômica Federal, no Largo do Tanque e Itapuã, além de terminais de autoatendimento em estabelecimentos comerciais nos bairros de Mussurunga e Boa Vista do Lobato.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem